Defensor público-geral do AM destaca avanços do programa Defensoria Sem Fronteiras

70

FOTO: Divulgação
FOTO: Divulgação

O defensor público-geral do Amazonas, Rafael Barbosa, participou, nesta sexta-feira (26/1), da XII sessão ordinária do Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais (Condege), em Porto Velho. Na pauta, entre outros assuntos, o retorno dos trabalhos para criação do Conselho Nacional da Defensoria Pública (CNDP).

Na quinta-feira (25/1), Rafael participou da abertura da décima primeira edição do Programa Defensoria Sem Fronteiras, que durante duas semanas reunirá mais de 40 defensores públicos de mais de 20 estados brasileiros para analisar cerca de dez mil processos de presos de Porto Velho.

O defensor público-geral do Amazonas lembra  que este era um programa antigo, criado numa parceria entre o Condege e o Ministério da Justiça, mas que estava esquecido. Foi retomado após o massacre no presídio do Amazonas, no início do ano passado.

“A DP do Amazonas entrou em contato com o então ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e sugeriu a retomada do programa. A proposta foi aceita de imediato e o programa Defensoria Sem Fronteiras esteve no Amazonas, em Roraima, Rio Grande do Norte e agora chega em Rondônia”, contou.

Pela primeira vez o custo do Defensoria Sem Fronteiras é totalmente assumido pelas defensorias brasileiras que se uniram para enviar os defensores para Rondônia.

O Amazonas participa desta edição do Defensoria Sem Fronteiras com dois representantes: Josy Cristiane Lopes de Lima e Arthur Sant´ana Ferreira Macedo, que ficarão na capital de Rondônia de 24 de janeiro até oito de fevereiro.

A intenção é que 3,6 mil detentos sejam atendidos individualmente durante o Defensoria Sem Fronteiras. Após a análise do processo, os defensores farão entrevistas com os apenados e visitarão as unidades nas quais eles se encontram.

Retirado de

Powered by WPeMatico

Compartilhar