Polícia Civil prende homem denunciado por tortura e maus-tratos contra o próprio filho, em Iranduba

54

FOTO: Divulgação
FOTO: Divulgação

Polícia Civil prende homem denunciado por tortura e maus-tratos contra o próprio filho, em Iranduba

A Polícia Civil do Amazonas, por meio da equipe de investigação da 31ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP), situada em Iranduba, município distante 27 quilômetros em linha reta da capital, sob o comando das delegadas Sylvia Laureana e Suely Costa, titular e adjunta, respectivamente, da unidade policial, em ação conjunta com o Posto Policial Integrado (PPI) do Distrito de Cacau Pirêra, representado pela delegada Linda Gláucia de Moraes, cumpriram na manhã de sexta-feira (13/4), às 9h, mandado de prisão preventiva em nome de Jackson Costa Trindade, 25, por tortura e maus tratos, cometidos contra o filho de três anos de idade. O homem foi preso na residência onde mora, situada na rua José Maria, bairro Morada do Sol, naquele município.

De acordo com Laureana, a equipe de investigação da unidade policial iniciou as diligências em torno do caso após receber uma denúncia do Conselho Tutelar informando que, uma criança foi vista na companhia de sua madrasta, uma jovem de 23 anos, em um salão de beleza situado naquele município, com diversos hematomas e queimaduras pelo corpo. Na ocasião, a jovem foi questionada pelos clientes do estabelecimento, porém, não soube esclarecer a situação.

Conforme a autoridade policial, a criança é fruto de um relacionamento que Jackson teve no estado do Pará, e que, há dois meses, trouxe a criança para morar com sua atual companheira. Em oitivas na unidade policial, a madrasta da criança afirmou que o menino vem sofrendo maus tratos e tortura pelo pai desde que chegou em Iranduba, e alegou que nunca denunciou por sofrer ameaças do companheiro. A criança apresenta lesões pelo corpo causadas por espancamento e até queimaduras graves na região genital.

“As agressões, que vinham acontecendo na residência do casal, eram assistidas pela madrasta, que sofria ameaças de morte caso denunciasse a situação, o que foi demostrado durante as oitivas. Jackson, a princípio, tentou justificar as lesões causadas pela queimadura com um acidente que teria sofrido enquanto passava em via pública, onde teria esbarrado com uma pessoa que segurava um copo de mingau, o que foi desmentido pela companheira, que confessou que todas as lesões eram causadas pelo próprio pai”, explicou Sylvia.

Prisão preventiva – Diante das provas colhidas, a titular da 31ª DIP, delegada Sylvia Laureana, representou à Justiça o pedido de prisão preventiva, que foi expedido na sexta-feira (13/4) pelo juiz Carlos Henrique Jardim da Silva, da 1° Vara Criminal de Iranduba. A criança foi encaminhada ao Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Hospital e Pronto Socorro (HPS) 28 de Agosto, localizado na avenida Mário Ypiranga, bairro Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus, onde recebeu alta na tarde de ontem, e encontra-se acolhida em uma instituição de apoio, recebendo acompanhamento psicológico e social com apoio do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) de Iranduba.

Jackson foi indiciado pelos crimes de tortura e maus tratos qualificados. Ao término dos procedimentos cabíveis no DIP, Jackson será encaminhado ao Centro de Recebimento e Triagem (CRT) do Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), no quilometro oito da rodovia federal BR-174.

FOTO: Divulgação / Assessoria de Imprensa da Polícia Civil do Estado do Amazonas.

Retirado de www.amazonas.am.gov.br

Compartilhar