Profissionais discutem Ensino Integral como modelo democrático e participativo

337

semieducdebint (2)

Uma mesa redonda, composta por profissionais de educação de todo o país, encerrou os debates sobre Educação Integral, nesta segunda-feira, 12, no auditório da Secretaria Municipal de Educação (Semed), na Avenida Mário Ypiranga Monteiro, bairro Parque Dez, zona Centro-Sul. Durante as discussões, foram apresentadas experiências bem sucedidas e feitas avaliações sobre a maneira como a rede municipal vem desenvolvendo a modalidade de ensino.

Compondo a mesa redonda, a secretária municipal Kátia Schweickardt ressaltou a importância de se construir escolas democráticas e participativas, o que já vem sendo realizado em unidades da Semed e está em processo de expansão para outras escolas da rede.

“A semente foi jogada e já estamos colhendo alguns frutos. Temos hoje quatro escolas com esse modelo e  ele já começa a ser adotado em outras unidades. Mesmo com suas limitações, esse tipo de discussão é importante, principalmente pelo momento democrático que vivemos atualmente”.

A educação integral é uma realidade na Semed desde o início deste ano, com um projeto piloto em quatro unidades de ensino, que atende mais de 600 estudantes. A principal característica desta modalidade é o aluno como protagonista do saber e uma escola democrática onde todos têm voz. A escola integral tem cinco pilares de aprendizagem: cultural, cognitivo, socioambiental, físico e emocional.

Nesta linha, o trabalho da Semed foi elogiado pela representante do projeto Escolas Transformadoras, Helena Singer. “O que Manaus está fazendo é algo fantástico e eu fico enormemente feliz em poder vir aqui, mais uma vez, para discutir esse modelo de educação. Quero levar para o restante do país o que tem sido feito aqui, para que todos conheçam o trabalho desenvolvido pela secretaria”, disse.

Gestores das quatro escolas municipais que já possuem o sistema de Educação Integrada, implantado este ano de forma experimental, contaram um pouco sobre as suas experiências e como a mudança na metodologia de ensino impactou no funcionamento das unidades e na vida dos alunos atendidos.

Pilar Lacerda, diretora da Fundação SM, elogiou o interesse de expandir o modelo para mais escolas da rede, mas fez um alerta aos professores e gestores presentes. “Para as escolas que querem aderir a esse modelo, eu digo que não façam se estiverem fazendo apenas por obrigação. Porque implantar a Educação Integral dá muito trabalho e é necessário empenho para que dê certo”.

Texto: Martha Bernardo

_MG_0673

Fotos: Cleimor Santos e Lton Santos / Semed

Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Educação (Semed): 92 3632-2054

Prefeitura de Manaus

Compartilhar