Relembre a trajetória de Oscarino Varjão, criador do boneco Peteleco

44

FOTO: DIVULGAÇÃO
FOTO: DIVULGAÇÃO

 

Ventríloquo morreu aos 81 anos, na noite de domingo (15/4), com uma trajetória artística de mais de 60 anos

Sensibilidade, simpatia e alegria. A trajetória do artista amazonense Oscarino Farias Varjão, criador do boneco Peteleco, Patrimônio Cultural e Imaterial do Amazonas, que faleceu na noite do último domingo (15/4), aos 81 anos de idade, marca a infância de amazonenses há mais de 60 anos.

O personagem foi criado em 15 de maio de 1957, em uma reunião na casa de sua sogra, no Boulevard Álvaro Maia, como uma forma de superar as necessidades financeiras da família. Desde então, Oscarino passou a realizar apresentações em escolas, programas de rádio e TV com seu amigo Peteleco. O sucesso de “Oscarino & Peteleco” conquistou crianças não só da capital, mas também do interior do Amazonas.

Em 4 de agosto de 2016, o boneco Peteleco e seu criador receberam, no palco do Teatro Amazonas, uma homenagem da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), pela sua dedicação à cultura do Amazonas. Na ocasião, a homenagem foi entregue pelo diretor de difusão cultural da SEC, Sérgio Cardoso.

Meses depois, em 1º de novembro de 2016, um projeto de lei de autoria do então deputado estadual, hoje vice-governador do Amazonas, Bosco Saraiva, na Assembleia Legislativa, tornou o boneco Peteleco – criação de Oscarino – Patrimônio Cultural e Imaterial do Amazonas.

A última apresentação do artista no Teatro Amazonas aconteceu em junho de 2017, dentro da programação do projeto “Duetos Populares”, como parte das comemorações pelos 120 anos do Teatro.

Documentário – Contemplado no Programa de Apoio às Artes (Proarte 2013), do Governo do Amazonas, por meio da SEC, o documentário “Oscarino & Peteleco”, dirigido por Anderson Mendes e lançado no ano passado, revela a relação entre Oscarino e seu Peteleco ao longo de mais de 60 anos de carreira.

No documentário, que tem cerca de 20 minutos, Oscarino ressalta, ainda, a importância de Peteleco em sua trajetória profissional. Foi graças às apresentações com o boneco que ele assegurou o sustento da família e a construção da casa dele.

“Esse boneco representa tudo de bom pra mim, desde quando eu o criei, no dia 15 de maio de 1957. Eu já sabia que ele ia divertir as pessoas, a plateia, mas eu não sabia que ia conviver tanto tempo com ele”, contou Oscarino no documentário. “Eu nasci pra completar o meu destino, eu nasci ventríloquo e o Peteleco já nasceu pra mim”, completou.

Participação em rede nacional – No dia 14 de novembro de 2000, a dupla participou do “Programa do Jô”, da Rede Globo de Televisão. Nele, o artista conversou sobre suas apresentações na Região Norte e brincou com as perguntas feitas pelo apresentador Jô Soares.

Complicações de Saúde – A Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam), divulgou uma nota informando que Oscarino era portador de diabetes, colelitíase, hipertensão arterial sistêmica, possuía sequela de Acidente Vascular Cerebral (AVC) e asma.

Oscarino deu entrada na unidade na última sexta-feira (13/04), em estado grave, com histórico de colelitíase, evoluindo para febre.

O Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto informou, também, que o paciente recebeu toda a assistência da equipe médica intensivista. Desde que deu entrada foram realizadas várias gasometrias, exames laboratoriais, exames de Tomografia de abdômen total, Eletrocardiograma e, conforme avaliação médica, Oscarino seguiu internado com diagnóstico de colelitíase, Abcesso Hepático, Acidente Vascular Encefálico e Hipertensão Arterial. Oscarino deixa 15 filhos, 78 netos e bisnetos.

Homenagens – O velório de Oscarino está acontecendo no Salão Nobre do Centro Cultural Palácio Rio Negro, centro de Manaus. A cerimônia é aberta ao público, que poderá se despedir e realizar as últimas homenagens ao artista.

No local, está sendo exibido o documentário “Oscarino & Peteleco”; e uma exposição do acervo pessoal de Oscarino. Também estão previstas uma homenagem do pianista Felício Show e uma missa de corpo presente, realizada pelo padre Amarildo Luciano.

O sepultamento acontecerá no Cemitério São João Batista, o cortejo sairá do Palácio Rio Negro às 16h e Oscarino será levado no caminhão do Corpo de Bombeiros.

Retirado de www.amazonas.am.gov.br

Compartilhar